O comércio exterior faz parte da história da humanidade e seus primeiros conceitos tiveram início a partir do século XV com o mercantilismo e as grandes navegações, onde era necessário buscar por rotas comerciais e oportunidades. 

Desde então, muitas transformações aconteceram com a evolução dos tempos, das economias e consequentemente, das indústrias. A tecnologia abriu caminhos para novas estratégias e maneiras de realizar o comércio exterior.

O Comércio Exterior da atualidade ou Comex 4.0 envolve termos como internet das coisas, big data, computação em nuvem e blockchain

Se você quer saber mais sobre o tema, fique nesse post pois vamos explicar tudo que precisa.

O que é Comércio Exterior 4.0 ou Comex 4.0?

O termo Comércio Exterior 4.0 ou Comex 4.0 tem origem em outro conceito: a indústria 4.0. A quarta revolução industrial englobou mudanças que vem afetando cada vez mais empresas, negócios e cadeias de produção.

Ferramentas de automação, máquinas e computadores são partes fundamentais para o desenvolvimento do comércio exterior e têm impactado em larga escala no aumento de produtividade, eficiência de processos, recursos e na integração com outras economias.

No Brasil, por conta da pandemia, essa modernização ganhou impulso, visto que com as regras sanitárias e o isolamento social, muitas atividades que exigiam contato físico em postos aduaneiros, por exemplo, tiveram que migrar para o digital ou serem automatizadas. 

De acordo com pesquisa da CNI (Confederação Nacional da Indústria), em 2020, a indústria brasileira correspondeu a 20,4% do PIB (Produto Interno Bruto), já quanto ao setor de exportações de bens e serviços, chegou a representar 69,2%, e 29,7% da arrecadação previdenciária patronal. 

Tais valores ajudam a ilustrar a força do setor industrial em nosso país e também como os possíveis efeitos da indústria 4.0 poderiam estimular ainda mais a área. 

Nesse sentido, uma outra pesquisa, da McKinsey, estima que 210 bilhões podem ser alçados pelo Brasil caso acelere a implementação de tecnologias na indústria, o que envolve investimentos em infraestrutura, nos ambientes de negócios, na parte regulatória e na aplicação de ferramentas.

Como funciona o Comex 4.0?

O Comex 4.0 pode ser relativamente novo no Brasil, o que gera dúvidas sobre o seu funcionamento e aplicação, mas em outros países já vem sendo implementado há bastante tempo. 

Na Europa, máquinas em postos aduaneiros já fazem o trabalho sem presença humana e ferramentas já são capazes de automatizar etapas como envio de documentações, rastreio de mercadorias, monitoramento e tributação. Etapas presentes em operações como de importação e exportação.

Empresas ou profissionais que pensam em se atualizar sobre esse processo podem ter dúvidas sobre quais tecnologias e por onde começar diante de tantas mudanças. 

Antes de tudo, é preciso conhecer as características do seu negócio e o perfil de atuação no mercado.

Outro ponto fundamental é compreender as dores da empresa e/ou de seus clientes e quais tecnologias poderiam ser aplicadas para cada finalidade e também seu tempo de resultado. 

Desse modo, o mercado de trabalho pode exigir e empresas podem pensar em capacitar seus funcionários para segmentos como robótica, análise de dados e programação, além do fomento a outras habilidades como empreendedorismo, criatividade e dinamismo.

Veja algumas das tecnologias que fazem parte do comércio exterior 4.0

Internet das coisas (IoT)

A internet das coisas diz respeito a uma rede de sistemas que interagem entre si e com o mundo externo, e tem o objetivo de fornecer dados para o controle e gestão.

Big data

São sistemas de dados de maior complexidade e que chegam não só em maior velocidade, como também em maior volume. Servem para apontar potenciais problemas para resolver no negócio e técnicas de análise de dados mais elaboradas são necessárias para extrair informações.

Automação

A automação implica em eliminar ou reduzir tarefas manuais. Um disparo automático de e-mail ou um equipamento que funcione sem interferência humana pode ser um exemplo de maneiras de automatizar processos.

Blockchain

O blockchain é um sistema que não é centralizado e pode fornecer informações e ser usado para pagamentos, controlar o embarque, comercializar bens e também para verificação de produtos.

Computação em nuvem

A computação em nuvem permite o acesso a serviços como armazenamento, bancos de dados, redes, softwares, análises e inteligência com acesso pela internet.  

B&T Câmbio: sua solução em operações de comércio exterior

O SISCOMEX (Sistema Integrado de Comércio Exterior) inclui etapas operacionais com o objetivo de desburocratizar e agilizar processos. Atualmente, já é possível acessar de forma online e com a modernização do comércio exterior, é esperado que novas atualizações sejam feitas no sistema.

Algumas empresas também vêm investindo em seus próprios sistemas para a organização e gerenciamento de etapas e passos para o comércio exterior.  A B&T Câmbio teve essa iniciativa com o Câmbio On.

Um portal exclusivo que permite ao cliente acompanhar e gerenciar suas operações de câmbio, o que proporciona um maior controle sobre futuros vencimentos, como o relatório de contas a pagar, ajudando no planejamento das operações seguintes. 

Na B&T, usamos a tecnologia em produtos e serviços, o que agiliza todo o processo. Já contamos com mais de 90% dos contratos de câmbio assinados eletronicamente.

Realizamos operações de importação e exportação com vantagem para nossos clientes em preço e agilidade. Na B&T, você economiza até 70% nos custos de câmbio quanto a taxas, cotação e spread, sendo bem melhor que banco.

Combinamos expertise em câmbio com conhecimento tecnológico e atendimento para o que você precisa. 

Acesse o nosso site e confira o que podemos fazer por você e o seu negócio.